.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Chegou a Primavera

. ...

. Sites de interesse

. "Gosto de ti"

. ...

. ...

. Era uma vez...

. Tenho uma casinha

. Remodelações

. Os bons dias

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.Visitas

Web Site Counter
Free Counter
blogs SAPO
RSS
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

Era uma vez...

A minha história começa como todas as histórias, com “Era uma vez” um pequeno ser, que estava no local mais acolhedor do mundo, onde tinha tudo o que queria para ser feliz, tinha amor, carinho, compreensão, comida.

Ele sempre se interrogara como fora ali parar, mas também não lhe importava muito, porque já tinha ouvido alguém dizer que tinha sido fruto de amor, e que estavam todos contentes por ele estar ali.

Ele adorava aquele espaço, era a sua casa, e adorava descobrir as partes que constituíam o seu pequeno corpo, gostava especialmente de uma parte que se chamava “mão”, porque era muito engraçado mexer com essa tal mão no nariz. O pequeno ser adorava música, especialmente música clássica, e adorava dançar, o que ele achava que desagradava a alguém, pois quando ele se mexia de mais ouvi-a a reclamar. Mas também adorava mexer-se demais pois sabia que quando isso acontecia, podia sentir algo a tocar na sua casa, e não sabia bem porquê mas gostava desse toque e daquela voz grave.

Mas houve um dia em que o pequeno ser não sabia o que se estava a passar, começou a sentir-se muito agitado… E de repente, sem saber muito bem como, estava ao colo de uma senhora muito bonita e com um doce sorriso, ele achava que a conhecia, de algum lado. Passado um momentos ouviu aquela voz grave que tanto gostava, e sentiu o toque que sentira há uns tempos atrás.

O pequeno ser não era mais apenas um pequeno ser, era uma criança.

- Olá Pedro – disse a senhora simpática – sou a tua mãe.

 

 

 

 

 

 

 (texto da minha autoria, escrito para Expressão Dramática tendo com objectos para inspiração uma concha e um lenço bege)

 

publicado por lú às 22:08
link do post | comentar | favorito

.links

.Memórias


.Online

who's online