.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
30
31

.posts recentes

. Era uma vez...

. O amor de Pedro e Inês

. Teoria e desenvolvimento ...

. As dificuldades...

. Currículo

. As férias...

. Educadora de Infância

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.Visitas

Web Site Counter
Free Counter
blogs SAPO
RSS
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

Era uma vez...

A minha história começa como todas as histórias, com “Era uma vez” um pequeno ser, que estava no local mais acolhedor do mundo, onde tinha tudo o que queria para ser feliz, tinha amor, carinho, compreensão, comida.

Ele sempre se interrogara como fora ali parar, mas também não lhe importava muito, porque já tinha ouvido alguém dizer que tinha sido fruto de amor, e que estavam todos contentes por ele estar ali.

Ele adorava aquele espaço, era a sua casa, e adorava descobrir as partes que constituíam o seu pequeno corpo, gostava especialmente de uma parte que se chamava “mão”, porque era muito engraçado mexer com essa tal mão no nariz. O pequeno ser adorava música, especialmente música clássica, e adorava dançar, o que ele achava que desagradava a alguém, pois quando ele se mexia de mais ouvi-a a reclamar. Mas também adorava mexer-se demais pois sabia que quando isso acontecia, podia sentir algo a tocar na sua casa, e não sabia bem porquê mas gostava desse toque e daquela voz grave.

Mas houve um dia em que o pequeno ser não sabia o que se estava a passar, começou a sentir-se muito agitado… E de repente, sem saber muito bem como, estava ao colo de uma senhora muito bonita e com um doce sorriso, ele achava que a conhecia, de algum lado. Passado um momentos ouviu aquela voz grave que tanto gostava, e sentiu o toque que sentira há uns tempos atrás.

O pequeno ser não era mais apenas um pequeno ser, era uma criança.

- Olá Pedro – disse a senhora simpática – sou a tua mãe.

 

 

 

 

 

 

 (texto da minha autoria, escrito para Expressão Dramática tendo com objectos para inspiração uma concha e um lenço bege)

 

publicado por lú às 22:08
link do post | comentar | favorito
Sábado, 24 de Janeiro de 2009

O amor de Pedro e Inês


         Na disciplina de História e Geografia para a Infância, o professor do Módulo de História, pediu-nos para que escrevessemos uma história para crianças, baseada numa lenda ou na História de Portugal. Eu e a Lita escolhemos a História de D. Pedro e Inês de Castro. O professor disse que ia fazer um concurso para escolher a melhor história de entre todas, que cada grupo tinha feito. E a nossa foi a vencedora! Ganhamos um livro do professor, autografado e tudo por ele. Fica aqui a história e algumas ilustrações da autoria da Lita.

 

 

*****************************




            Era uma vez, há muito tempo atrás, muito antes dos nossos avós terem nascido, uma linda e formosa aia castelhana  chamada Inês de Castro, que veio para o nosso país para servir a princesa D. Constança, esposa de D. Pedro.

Inês vivia uma vida de princesa no castelo juntamente com a sua Senhora e o príncipe D. Pedro.

O príncipe depressa reparou na beleza da formosa castelhana e não demorou a conquistá-la. Eram muitos os encontros que aconteciam nos jardins do castelo, mas claro que D. Constança não sabia de nada.

            Quando esta descobriu, passou os dias e as noites a chorar, acabando por se afogar na sua própria mágoa, morreu de desgosto e tristeza por não ter só para si o amor do seu querido príncipe.

Agora já nada impedia o amor de Pedro e Inês, porém, o pai de D. Pedro, D. Afonso IV, não gostava da relação que o seu filho mantinha com a aia castelhana, pensava que tal relação ia trazer complicações ao reino de Portugal, como tal, obrigou Inês a fugir do país.

Inês fugiu para uma região fronteiriça entre Espanha e Portugal, onde uma velhota lhe deu abrigo. Mas a distância entre os amantes não terminou com o seu amor, D. Pedro ia visitá-la todos os dias, davam longos passeios pelos campos, e toda a gente que os encontrava ficava maravilhada com tal amor e carinho que os dois transmitiam.

D. Afonso, não era apenas atormentado pelo amor proibido do filho e pelo facto de muitos dos seus fiéis nobres serem contra este amor, existia algo que o começou a torturar todas as noites.Dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong, dong… As doze badaladas anunciavam a meia noite… D. Afonso acordou assustado do seu sono profundo, e dirigiu-se para o salão de bailes, onde uma janela tinha sido aberta com violência pelo vento. A grande custo fechou a janela, e quando finalmente a conseguiu fechar, virou-se e qual não é o seu espanto quando vê a falecida D. Constança sentada na poltrona, em frente à lareira. Ficou branco como a cal da parede, tinha um fantasma diante dos seus olhos!

- Não se assuste meu querido sogro. Eu não lhe faço mal – disse D. Constança – Só preciso que me faça um favor…

- Diz. Mas por favor não me faças mal! – disse D. Afonso a tremer.

- Julgava-o mais corajoso, ó “Bravo”. Sabeis que o vosso filho continua a encontrar-se com aquela mulher? Até já tiveram um filho, Afonso de seu nome, mas acabou por falecer.

- Não sabia de tal informação. Mas que posso eu fazer? Já a expulsei do país.

- Acabe com a vida insignificante dela. Se o Pedro não foi feliz comigo também não o deve ser com aquela mulher.

- Farei o que puder. – respondeu D. Afonso já cheio de medo desta terrível assombração.

A janela voltou a abrir com tamanha violência, que o jarrão que tinha flores perto da janela acabou por cair e partir-se em mil pedaços. D. Afonso ficou cheio de medo, e fugiu para o seu quarto escondendo-se debaixo dos cobertores a tremer, como uma criança pequena.

Vivendo o seu amor, D. Pedro e a sua querida amada tomaram a decisão de ir viver para Coimbra, para Santa Clara, perto do rio Mondego, aí ninguém os podia separar.

Do seu amor nasceram dois meninos, João e Dinis, e uma menina, Beatriz (como a sua avó paterna), cresceram fortes e saudáveis, porque para além de todos os dias comerem a sopa toda, estavam rodeados de carinho e ternura dos pais.

D. Afonso vivia atormentado por aquela visão fantasmagórica, e um dia, soube que D. Pedro ia para uma caçada e dirigiu-se a Santa Clara com os seus mais fiéis nobres. No dia 7 de Janeiro, ao cair da noite, Inês de Castro foi surpreendida pela chegada do rei e dos nobres, e ai aconteceu o mais medonho de todos os pesadelos de D. Pedro, nunca mais viria a sua linda e formosa Inês.

D. Pedro, enfurecido com o que aconteceu à sua amada, mandou prender os malfeitores e condená-los a passar o resto das suas miseráveis vidas na prisão, onde nunca podiam ver a luz do Sol e onde habitam também ratos e ratinhos.

D. Pedro ficou assim conhecido como o “Justiceiro” por ser sempre justo: castigando os maus e dando prémios aos bons.

Devido ao enorme amor que sentia pela aquela mulher, que foi o seu grande e único amor, mandou construir um majestoso túmulo para ela no Mosteiro de Alcobaça. Como nunca mais se queria separar dela, mandou construir outro túmulo para si, que seria colocado no mesmo local.

Os filhos de D. Pedro e Inês de Castro, apesar da falta da mãe, cresceram felizes com o pai e com a avó Beatriz, mulher de D. Afonso IV, no castelo.

Quando as crianças cresceram puderam casar com quem queriam, pois o seu pai não se opôs a nenhum casamento, como o havia feito o seu avô e que tamanha desgraça e tristeza causou.



FIM




 

 

publicado por lú às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Teoria e desenvolvimento curricular

Fontes do Desenvolvimento Curricular

Ralph Tyler

Os Alunos (formandos)
O currículo centrado nos interesses e necessidades dos alunos

O conhecimento
O currículo centrado nas matérias e conteúdos

A Sociedade
O currículo centrado nas exigências da sociedade


.Os Conteúdos: os saberes das disciplinas, as matérias, os especialistas, os manuais.
“Só o conhecimento contido nas disciplinas é apropriado para o currículo” Ph. PHENIX

.Os Alunos: os seus interesses e as suas necessidades
“A criança é o ponto de partida, o centro e o fim” John DEWEY

.A Sociedade: os problemas sociais, a análise do contexto social
“O currículo é um meio para lidar com os problemas sociais” EISNER e VALLANCE
 

tags:
publicado por Lita às 21:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

As dificuldades...

Durante estes últimos tempos, faltaram post no nosso blog, mas deve-se ao facto de estarmos cheias de trabalho, neste momento temos um trabalho para fazer sobre a creche segundo High/Scope.


Também temos de estudar matemática, o que está díficil de ficar feito, mas até 2010 ainda há esperança e quendo temos muita força de vontade tudo se consegue.


Desde já pedimos desculpa por nem sempre haver novidades, mas temos muito trabalho...mas nunca deixem de dar um passeio por cá, pode sempre haver algo novo.



Beijinho

tags:
publicado por Lita às 20:04
link do post | comentar | favorito

Currículo

No âmbito da disciplina Teoria e Desenvolvimento Curricular tivemos de encontrar uma definição de Currículo, depois o professor facultou-nos a dele, assim sendo:

 

  • Currículo escolar é - em qualquer circunstância- o conjunto de aprendizagem que, por se considerarem socialmente necessárias num dado tempo e contexto, cabe à escola garantir e organizar.
tags:
publicado por Lita às 19:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

As férias...

Queremos pedir desculpa por o nosso blog não estar a ser actualizado todos os dias, mas agora estamos de férias e também temos exames e é importante estudar :) Não deixem de aparecer***
tags:
publicado por Lita às 18:39
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Abril de 2008

Educadora de Infância



  • A educadora de infância trabalha com os meninos que ainda não chegaram à idade escolar, ou seja, que ainda não começaram o ensino básico.
  • Através de brincadeiras e jogos vai ajudando as crianças a aprenderem muitas coisas que vão ser importantes quando começarem a aprender a ler, escrever e contar.
  • Não é qualquer pessoa que pode ser educador de infância. É preciso estudar numa escola especial e depois fazer um estágio num jardim de infância, onde se mostra aos educadores tudo o que se aprendeu e aprende melhor a sua profissão com as crianças.
  • Depois vai para os colégios e para os jardins de infância onde está com os meninos e meninas até aos seis anos, que é quando estes vão para a escola.
  • Tudo parece muito fácil, mas não.
  • Para ser educador de infância é preciso fazer muitas coisas com as crianças para além de brincar.
  • É preciso ensiná-las a olhar para as coisas e a descobrir o nosso mundo: os animais, as plantas, como lavar os dentes, as cores, etc.
  • Também mostram aos meninos que devemos todos ser amigos e respeitar os outros.
  • Sabias que existem educadores que se dedicam só a crianças com problemas físicos ou mentais?
publicado por Lita às 13:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.links

.Memórias


.Online

who's online